“IRL” quer dizer “In Real Life”, no seio da comunidade digital. É um acrónimo utilizado para distinguir elementos da “vida real” durante uma conversa online. No entanto, esta sigla faz cada vez menos sentido, à medida que vida real e digital se complementam e influenciam cada vez mais e devemos começar a olhar para as duas dimensões como um todo.

Só no primeiro semestre deste ano, 2018, foram 871 os pedidos de informação ao Facebook, sobre 1.060 contas. e 765 pedidos sobre 967 contas ao Google – de forma a actuarem IRL, sobre os utilizadores.

fonte: Facebook

Ao Google foram feitos 765 pedidos sobre 967 contas ao Google para o mesmo efeito.

fonte: Google

Quanto à tipologia das informações partilhadas, os números não permitem grandes conclusões, pelo que podes ter aqui uma noção:

Segundo a empresa de Zuckerberg, contudo, “cada um dos requerimentos recebidos é cuidadosamente analisado quanto à sua suficiência legal e pode ser rejeitado, ou requeridas mais especificações a pedidos que se apresentem demasiado abrangentes ou vagos”.

Também a Google defende que “todas as solicitações são analisadas pela nossa equipa jurídica e são rejeitadas, frequentemente, quando são excessivamente abrangentes ou quando não seguem o processo correto”. Ou seja, nem todos os pedidos são aceites nem toda a informação requerida é fornecida, na versão oficial dos factos sustentada por ambas as empresas.

Google e Facebook aceitam, ainda, preservar informação de contas que estejam num processo legal pendente. Nestes casos, são guardados alguns “snapshots” da informação relevante da conta mas não serão divulgados registos até que o processo avance e as empresas recebam uma solicitação formal de divulgação de dados.

Os dados constam dos relatórios de transparência das duas empresas e dão-nos conta de cerca de 300 solicitações aceites num universo de 871, quanto à Google, e cerca de 470 respostas positivas às 765 solicitações, no caso do Facebook.

Contudo, os números podem não ser totalmente fidedignos. Como explica a Google, “a mesma conta do Gmail pode ser especificada em vários pedidos diferentes de informações de utilizadores, por exemplo, uma vez numa intimação e, posteriormente, num mandado de busca. Adicionamos ambas as ocorrências ao total de “utilizador/contas”, mesmo que se trate da mesma conta. Da mesma forma, podemos receber um pedido relacionado com um utilizador ou uma conta que não exista de todo. Neste caso, acrescentamos igualmente o pedido e a conta não existente ao total”.

RESPONDE_

comentar_
nome_